sábado, 9 de dezembro de 2017

Blogmas 2017: Diferença entre tratar melhor e tratar bem



(Este texto foi escrito e postado via celular, então erros de gramática e formatação devem ser desconsiderados)

        Como eu já mencionei anteriormente, já conheci vários tipos de pessoas. Não posso dizer que consegui me dar bem com todas, mas algumas foram realmente memoráveis. Recentemente, estive refletindo sobre essas relações. Pensando em como algumas permaneceram, enquanto outras tiveram um fim.
        Eu nunca fui um poço de amor próprio e auto confiança, o que me rendeu diversos problemas ao longo de minha vida. Eu costumava ser bastante ingênua, e tinha certo orgulho disso. Esperar sempre o melhor das pessoas era, ao meu ver, a minha maior qualidade. Entretanto, agora com 19 anos, penso que acreditar na bondade do mundo é diferente de ser trouxa. Todo mundo é bom, até que se prove o contrário, sendo assim merecedor de um voto de confiança. Só que isso não quer dizer que vou me deixar levar sempre pelos outros, ou então acabarei sendo constantemente machucada. Pode parecer algo egoísta, quando na verdade, trata se apenas de auto preservação.
        Eu demorei muito a entender a diferença entre tratar melhor e tratar bem. Pode parecer confuso, mas darei um excelente exemplo: Você está caminhando por uma estrada e se depara com duas pessoas. Eles estão perdidos, então você se oferece para ajudá - los a chegarem ao seu destino e juntos, vocês passam a caminhar. Na primeira encruzilhada, você tem um problema que acaba os atrasando. O primeiro briga contigo, te humilha e te ofende, enquanto o segundo só observa tudo em silêncio. Quando você fica cansado, ambos te ajudam. O primeiro joga sobre você sua bagagem, enquanto o segundo sorri e te entrega a dele. E assim, você passa a carregar as mochilas de ambos, por gratidão. Quando seus companheiros se sentem fracos e famintos, o primeiro come tudo o que tem, sem dividir, e ainda pega parte do seu. Enquanto o segundo, chora para você, reclamando de fome, comendo assim o dele e te levando a oferecer o pouco do que restava do seu. Nenhum te agradece, mas você não se importa. Quando é você que está com fome, eles acham algumas frutas. Nenhum deles compartilha contigo, e vocês continuam seguindo o percurso. Quando chegam ao seu destino, o primeiro vai embora sem te agradecer, enquanto o segundo se despede pedindo o seu contato, para que possa te procurar quando precisar de ajuda novamente. Agora te pergunto: Quem te tratou melhor e quem te tratou bem?
        A resposta é simples: o segundo te tratou melhor que o primeiro, mas nenhum te tratou realmente bem. O fato deste não ter usado de violência verbal ou física, não o faz menos nocivo. As vezes, podemos ser vítimas de violência psicológica, sem nos darmos conta. Este tipo de pessoa, sorri e te faz sorrir também. Ele não impõe a vontade dele, chegando a te fazer pensar que a vontade e a "necessidade" de ajudar partiu de você, quando não passa de manipulação e persuasão. A cada ajuda, ele te faz perder uma parte de você. E a cada erro seu, com apenas um olhar, te faz sentir como o pior indivíduo do mundo.
        O ponto é que devemos estar sempre prontos a ajudar quem amamos, desde que isso não custe a nossa saúde física, emocional, psicológica, espiritual ou financeira. Quem ama você não te fará escolher entre seu bem estar e o dele. Coagir alguém a fazer algo contra a vontade dela, e que não resultará no bem estar de ambos é, no mínimo, covarde e doentio. Em um relacionamento ambos devem ter voz, a possibilidade de fazer questionamentos e escolhas. Se você está em um ambiente onde isso não existe, pode estar em um relacionamento abusivo sem perceber. E acredite, isto é possível. 
        Eu não estou questionando o seu intelecto ou capacidade de raciocínio. Você pode ser uma pessoa fantástica, independente, com diplomas de graduação, mestrado e doutorado no exterior; ou até mesmo alguém incrível, com um cabelo hidratado, um sorriso maravilhoso, diversos dons musicais, dotado de carisma, Q.I. acima da média e o melhor gosto musical de todos. Para que você passe por isso, apenas basta que você tenha sentimentos e empatia pelo próximo. Só que isso não quer dizer que você deve passar a ser frio e insensível com todos, mas apenas se atente aos seus relacionamentos. Eu não preciso usar de palavras de baixo calão ou de força bruta para agredir você. As vezes, te privando de necessidades básicas como: atendimento médico, educação, alimentação, lazer saudável ou interação social, eu posso te causar mais sofrimento do que se eu efetivamente sentasse a mão na sua cara. 
        Algo que as pessoas nem sempre se lembram, é da diferença entre convencer e persuadir. Enquanto o primeiro significa literalmente vencer+junto, e é quando eu te apresento a minha idéia, te levando levando acreditar no potencial desta, de modo que possamos VENCER JUNTOS. O segundo é quando eu enfio a minha idéia na sua cabeça, e você não passa a acreditar nela por ser uma boa idéia, mas por eu utilizar de artimanhas para tal. Eu não vejo nenhum como algo completamente ruim, desde que não leve ao dano na vida de ninguém. 
        Amizades, relacionamentos amorosos, profissionais e até mesmo familiares podem ser tóxicos. Nem sempre teremos forças para impor as nossas vontades e nos afastarmos de nossos agressores de um dia para o outro, mas precisamos tentar buscar ajuda, para nos fortalecermos e mantermos nossa sanidade, até que consigamos por um fim em nossas prisões. Um exemplo que pode ser citado, é em O Pequeno Príncipe, sobre o relacionamento do garoto com a Rosa. Em todo o tempo, ela o faz crer que é única, que precisa de cuidados excessivos e constantes, o tornando preso a ela. Mesmo quando este deixa seu planeta, não consegue parar de pensar na flor, e de se sentir responsável pelo seu bem estar, gerando certo sentimento de culpa e responsabilidade, que nem mesmo uma criança fictícia deveria sentir. A história da Cinderela foi outro grande exemplo de relacionamento familiar abusivo, até que esta foi salva por seu príncipe encantado. A mensagem central do conto é: "Seja gentil", da qual não discordo. Independente da dor que o mundo nos cause, não devemos perder a nossa sensibilidade e capacidade de fazer o bem. Mas, por mais difícil que seja a situação, o único que vai ter o poder de te tirar deste sofrimento, é você mesmo. Você terá ajuda, mas é você que precisa se levantar para se salvar. 
        No passado, você pode ter assistido ou sofrido abusos que, comparados a atual violência psicológica, parecem piores. Mas sofrer menos, não quer dizer não sofrer. Eu não posso mudar o que aconteceu comigo ou com você, teria sim, sido muito mais fácil sem este sofrimento, mas não temos o poder te alterar o passado. Todavia, nós podemos mudar o que acontecerá a partir de agora, e eu decido lutar. Não escolha sentir menos dor, escolha não sentir nenhuma. Aceitamos o amor que achamos que merecemos, mas que tipo de amor doentio é esse que nos faz abdicar de nossa sanidade e bem estar pelo dos outros? Você merece muito mais do que pensa. Assim como eu estou fazendo, comece a trabalhar o seu amor próprio, antes de querer amar outro alguém. Não podemos mudar quem as pessoas são, mas podemos cuidar de nós mesmos, para que no futuro, menos pessoas sofram e mais possam ser ajudadas. Eu não sei quando o sol voltará a brilhar, mas por mais encharcado que você esteja, escolha hoje abrir o guarda chuva.

WYDLOCK, Morgana e NEVES, G. L. L.

2 comentários:

  1. Consegui entender sua reflexão e entendi onde você quis chegar. Diferente de você, eu sempre acho que todo mundo é ~malvado~ até que se prove o contrário, mas tento sempre esperar o melhor de todo mundo. Esse pensamento entrou em mim recentemente. Na época do ensino médio e até antes dele, eu posso dizer com certeza que fui feita se saco de pancadas. Nunca me achei merecedora de grande coisa, por isso o modo como algumas pessoas me tratavam era quase natural. Existiram pessoas muito boas, não tenha dúvidas, pessoas pelos quais eu sacrifiquei horas de estudo e sono sem me arrepender, mas outras que, se a situação se repetisse, eu não teria ficado quieta ouvindo disparates. Enfim, eu posso discorrer por várias horas aqui, mas não vou. Tento me imaginar como uma heroína de um livro dramático, e que no final enfrentou tudo e conseguiu ser feliz hehe.
    Como sempre, seu texto está impecável!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu penso diferente de você. Acho que não precisamos ser sempre os heróis que carregam o mundo nas costas e salvam a todos, porque nem sempre o conseguiremos, e se sacrificar por todos pode nos machucar. Acho que você é sim merecedora das mais grandiosas coisas, e entendo que goste se ver como a heroína, mas eu já consigo amar e ver a Luana como alguém fantástico, mesmo que não use um capa ou tenha salvo o universo. Sabe o porque? Porque você me inspirou e me salvou, no momento em que chegou, não tentou me fazer mala e não foi embora da minha vida.
      Obrigada por ter lido e por ter comentado <3

      Excluir