sábado, 18 de novembro de 2017

"I've had just enough time..."




Obs: Eu não consegui adicionar a playlist uma das músicas mais importantes para mim, que é esta aqui:


Escuridão.
O tic tac do relógio é o único barulho que pode ser ouvido no meu quarto. Eu estou jogada na cama, mais uma vez, sem energia alguma para realizar tarefas simples, como escrever, ou tomar banho. Este mal, que me acomete desde meados de 2011, se tornou a minha sina, minha rotina, minha vida. É como se esta tivesse perdido toda a sua saturação e brilho, e eu estivesse presa em um mar escuro, denso e preto e branco.
Minhas mãos tremem, minha voz falha e as lágrimas teimam em cair, fazendo ecoar um novo som pelo cômodo, o dos soluços. Aqui estou desde 30 de dezembro de 1999. Estar viva e sobreviver são coisas distintas, todavia, no momento eu apenas insisto em existir. Uma existência regada a fracassos e humilhações. Um ato, não de bravura, mas de covardia. O medo de pôr um fim, é maior do que a dor. Forte? Não, fraca.
Evitando as refeições em família, se esquivando dos momentos com os amigos, acumulando as obrigações e me afundando em comportamentos destrutivos. Aquela que em suas crises, se tranca em seu banheiro, se arranha, puxa os cabelos e abafa o som do choro para evitar perguntas. A garota que sorri e não reclama sobre o peso que sente nas costas, mas que a cada erro escuta: "Depois diz que tem depressão". A "vadia", "filha da puta", "babaca", "inútil", "doente", "imbecil", entre tantas outras coisas que ela já se habituou tanto a ouvir, que tomou como verdade.
Tentativas e tentativas. Algum dia isso vai mudar? Acredito que não. É mais fácil se fechar em seu casulo de borboleta para evitar questionamentos e hipocrisias. "Você precisa continuar tentando. As coisas vão melhorar". Quer me ajudar? Me arrume uma corda, uma arma ou três frascos de remédio, que eu faço o trabalho sujo. Insistir em melhorar é cansativo, bem como ter que se explicar a cada recaída. Então porque tentar subir, se no fim, eu voltarei ao fundo do mesmo empoeirado poço?
Suicídio? Já cogitei, tentei e falhei. O natal de 2015 teria sido inesquecível, se eu não tivesse fracassado, de novo. Muitas vezes eu não consigo nem me olhar no espelho do tamanho nojo que eu sinto de mim. Aquela que não consegue terminar nada do que começa, porque não tem capacidade alguma. Que nunca vai chegar em lugar nenhum, porque não é inteligente ou talentosa o suficiente. A vida não é um mar de rosas, e para mim, é um oceano de espinhos. Deus? Não consigo o procurar desde o dia 10/9, ao chegar ao ponto de eu para de tentar. Eu não me sinto merecedora o suficiente da sua Graça. Então eu simplesmente, desisti de tudo, da minha salvação, de mim mesma.
Eu escrevo sobre os meus sentimentos, fracassos, medos, dores, aflições e indignações. Com um tom mórbido e ácido, não vou te fazer se sentir confortável, mas vou falar o que penso. Afinal, mortos não tem que se preocupar em serem gentis, mas honestos. Não sou artista, cronista ou poeta. Sou apenas triste, cansada e louca. Voltaremos a nos ver, pelo menos até que eu me canse e finalize isso.

Com muito cansaço,

Morgana Wydlock

2 comentários:

  1. Eu passava exatamente pelas mesmas coisas anos atrás :c, não sarou, mas a dor diminuiu um pouco.

    ps amei a lista do desafio fotográfico que me mandou!


    Com amor,
    Bruna Morgan

    ResponderExcluir
  2. Eu sinto muito. Não sei pelo o que você passou, mas espero que a dor cesse. Eu não sou muito fã do "eu te entendo". Por mais que conheçamos as pessoas, nunca saberemos com 100% de certeza as batalhas que elas estão travando. Por isso eu prefiro o "eu tô aqui se quiser desabafar, se distrair, rir, chorar ou apenas ser ouvida".
    Não podemos controlar a intensidade das tempestades, mas podemos tentar enxergá-las por outros ângulos. De baixo, elas parecem sombrias, mas de cima, como a vista da janela de um avião, elas parecem encantadoras. Afinal, sem elas, não poderíamos crescer e amadurecer.

    Fico feliz que tenha gostado do desafio. É realmente bem simples e gostoso de fazer.
    Obrigada pelo comentário (e por me seguir no instagram 💜).

    Com muito carinho e admiração,

    Gaba

    ResponderExcluir