domingo, 23 de julho de 2017

Mudanças


            Há muitos anos, existia um lago em um vilarejo muito distante. Suas águas eram cristalinas, e havia certa substância na água que possibilitava que a sua coloração fosse quase sempre azul. Eu visitei esse vilarejo durante um ano, e nesse tempo, eu notei uma coisa muito importante a seu respeito. Sempre que eu me aproximava da água, conseguia observar meu reflexo nítido sobre a sua superfície. Você poderia mexer na água ou até mesmo atirar algo no lago, se você esperasse e observasse bem de perto, veria que ele continuava o mesmo. O mesmo lago, ás mesmas águas e o mesmo reflexo: o seu.
            Na primavera, por conta dos fortes ventos, as pétalas de flores tomavam quase que todo o fundo do lago. Devido a uma substância presente nas flores daquela região, o lago azul ganhava uma tonalidade rosada. Durante o verão, ele perdia um pouco de seu volume, por conta da evaporação de parte de suas águas. Depois de um período, ele retornava a sua capacidade natural, graças às chuvas. No outono, as folhas deixavam seu lugar nos galhos para ocupar a maior parte da face do lago. E assim como com as flores, as águas perdiam seus tons de azul, mas para desta vez se tornarem alaranjados. Já no inverno, este passava para o estado sólido, onde era possível caminhar e até mesmo esquiar sobre a sua superfície. Mas independentemente da quantidade de líquido, da sua coloração ou de seu estado, lá no fundo ele continuava o mesmo lago de sempre, bem como a minha imagem refletiva por ele.
Pensando a respeito disso, comecei a me sentir muito parecida com esse lago. Por mais que muitas pessoas tivessem “interferido” em meu interior e no meu exterior, de formas positivas e negativas, se você observasse bem de perto, notaria que eu continuava a mesma. Eu sentia que eu sempre seria a mesma, e isso me frustrava. Até que me deparei com alguém capaz de transformar até mesmo a minha composição. Eu já o conhecia, já havia ouvido falar sobre a sua força, mas foram necessários meses de relacionamento para eu realmente compreender o seu amor, o seu julgamento e a sua misericórdia. Esse alguém é Deus.
No capítulo 14 do livro de Êxodo, foi Ele quem, para proteger a vida do povo por Ele escolhido, ajudou Moisés a separar as águas do Mar Vermelho. Estou falando Daquele que, veio na forma de filho para nos salvar, e além de todos os inúmeros milagres por Ele realizados, transformou a água em vinho no capítulo dois do Evangelho de João. Ele é o rei que acalmou os mares, que transformou a água do rio Nilo em sangue, que caminhou sobre as águas. O pai que cura, livra, liberta, salva, perdoa, ensina e ressuscita. Ninguém pode ser comparado a Ele. Quando eu estava me afogando, foi o espírito Dele quem, utilizando a vida de outras pessoas, me trouxe de volta a superfície. Muitos conseguiram me fazer mudar por um tempo, mas só Ele me transformou, só Ele me libertou. Ele me ama como eu sou, mas ainda assim me ajuda a progredir, crescer e melhorar a cada dia. Ele acredita no meu potencial, me motiva diariamente e me ajuda a tomar decisões para que eu possa ter os melhores presente e futuro possíveis. Só Ele consegue ver o que realmente há em mim, só Ele pode enxergar além do reflexo em minha superfície. O seu amor é como um rio que flui em Amorevolleza do meu coração e está transbordando em todos nós, todos os dias. 

Neves, G. L. L.

0 comentários:

Postar um comentário